The financial markets continue apprehensive about the delay to solve the tax issues in the USA, especially the increase in debt ceiling.*

The financial markets continue apprehensive about the delay to solve the tax issues in the USA, especially the increase in debt ceiling.*

Edição 887

07/10/2013

Mercados financeiros seguem apreensivos em relação à demora para a resolução das questões fiscais americanas, em especial o aumento do limite do teto da dívida, que deve ser atingido em 17/out. As conversas no congresso americano não progrediram durante o final de semana.

As bolsas da Ásia tiveram queda no dia de hoje, com o índice MSCI Ásia Pacífico caindo 0,8% e o índice Nikkei225 do Japão recuando 1,22%. A bolsa de Xangai, na China, permaneceu fechada devido a feriado. O iene está se valorizando muito diante das outras moedas, em especial diante do dólar devido à questão fiscal americana, subindo 0,57% diante do dólar, cotado a ¥/US$ 96,92. Dados econômicos chineses sobre crédito e comércio exterior podem ser divulgados nessa semana.

Na Zona do Euro, hoje foi divulgado o índice de confiança do investidor Sentix de outubro, que ficou abaixo do esperado (6,1 contra 8,5). A semana não deve ter muitos eventos nessa região. O euro está se apreciando diante do dólar, 0,18%, cotado a US$/€ 1,3582, também ganhando valor devido às preocupações com os EUA. As bolsas europeias operam em queda pela manhã. O índice de ações pan-europeu STOXX600 está recuando 0,92%, e o CAC40 de Paris e o DAX30 de Frankfurt têm quedas de 0,98% e 1,10%, respectivamente. Em Londres, o índice FTSE100 cai 0,93% no momento.

Nos EUA, a agenda de divulgações de dados econômicos segue comprometida devido ao desligamento parcial do governo federal. Com certeza serão divulgados dados sobre crédito ao consumidor e confiança do consumidor, porém eles são dados de menor importância no mercado financeiro. O destaque na agenda da semana é a divulgação da ata da reunião do FOMC de setembro, que não diminuiu o ritmo de compras de títulos como o mercado esperava. A melhor compreensão sobre as razões para os membros do FOMC terem decidido fazer isso podem levar a uma melhor ideia sobre seus próximos passos. Os índices futuros das bolsas caem pela manhã. O S&P 500 recua 0,85% e o Dow Jones 0,93%. O índice DXY, que mede o valor do dólar contra as principais moedas, está com queda, de 0,18%. Os juros de 10 anos nos EUA caem um pouco hoje, a 2,616% a.a..

Os preços de commodities têm queda hoje, devido à aversão ao risco. O índice UBS/Bloomberg recua 0,31%. O preço do petróleo tipo WTI cai 1,04%, devido ao fim dos efeitos climáticos sobre a produção, com o barril valendo US$ 102,78.

No Brasil o destaque da agenda na semana deve ser a reunião do COPOM na 4ª feira. A maior parte dos economistas espera alta de 50 pb, e a atenção deve ficar no comunicado, em relação à possíveis pistas de desaceleração ou não do passo na próxima reunião. Nessa semana também será divulgado do IPCA, que deve ter alta de 0,35% M/M. Os juros futuros devem seguir em alta no dia de hoje. A bolsa, por sua vez, deve ter queda, seguindo a tendência mundial de aversão ao risco. O real deve se desvalorizar levemente diante do dólar, seguindo as moedas de países emergentes e, em especial dos exportadores de commodities.

Superintendência de Economia
Sul América Investimentos – Associada ao ING
www.sulamericainvestimentos.com.br

Top